Os melhores passeios de Jeri estão fora da vila, na direção das dunas e lagoas. Aqui vou explicar detalhadamente cada um deles.

Os melhores passeios de Jeri

O primeiro passeio começa pela Pedra Furada, passa pela Árvore da Preguiça, Praia do Preá, Lagoa Azul e Lagoa Paraíso. Geralmente começa às 9hs da manhã e segue direto para a Pedra Furada porque o sol ainda não está tão forte e é mais tranquilo de se fazer a leve caminhada de onde o buggy te deixa até a Pedra Furada. É um dos mais famosos cartões-postais de Jeri. A praia inteira tem formações rochosas bem interessantes.

Chegando lá achei o ‘furo” bem maior do que parecia nas fotos que tinha visto. A praia é cheia de rochas de diversas tonalidades e formas. Havia muitas pessoas neste dia, o que dificultava uma boa foto, mas nada que tirasse a beleza do lugar. Os guias falaram que é difícil encontrar este lugar vazio… 🙁 

Árvore da Preguiça

Na sequencia paramos na “Árvore da Preguiça”, que seria uma árvore normal não fossem os ventos fortes da praia do Preá que entortaram e a impediram que crescesse na vertical. O nome foi dado assim porque ela parece estar deitada. É um orgulho dos moradores de Jeri, pois é considerada símbolo de força e resistência, que além dos ventos fortes, essa árvore resiste também ao clima seco e muito sol.

Jeri-arvore-preguiça

A praia do Preá está a 12 km de Jeri, é um dos points mais badalados para a prática de kitesurf. Esportistas vem do mundo todo atrás dos ventos constantes de lá, entre 30 a 40 knots na melhor época do ano que é de Julho à Dezembro.

Jeri-praia-do-prea-kite-surf

Lagoa Azul, sua linda!

Dali fomos à Lagoa Azul com suas águas calmas, ponto de apoio com barzinhos e as famosas redes dentro d’água. A lagoa azul já foi bem mais cheia, no final da temporada seca ela costuma estar baixa. Neste ano tivemos sorte mas já há 3 anos que não chovia o suficiente, e isso chegou a preopcupar os moradores locais com receio que a lagoa secasse.

A Lagoa Paraíso foi a última parada e na minha opinião o melhor presente do dia. Faz jus ao nome! Um paraíso mesmo. Ficamos deslumbrados com a cor da água, a areia branquissima, a temperatura da água e o clima de um dos Beach Clubs mais badalados do momento, o Alchymist Beach Club.

Jeri-alchymist-beach-club

Apesar de estar lotado, o que prejudicou o atendimento, o conforto e a vibe do local compensou. É preciso pagar um extra para ficar nas esperguiçadeiras na beirada d’água (R4 40,00). As mesas atrás não tem taxa, somente o consumo mesmo.

Jeri-lagoa-paraiso-beach-club

No final do dia (todos os dias sem falta) o espetáculo do pôr do sol acontece na duna à esquerda da praia de Jeri, conhecida como Duna do Pôr do Sol. E todo mundo aplaude o sol que se esconde no mar e o céu fica de um colorido que só estando lá para ver. Essa duna já teve o dobro do tamanho atual, o vento anda movendo ela de lugar, criando assim novas paisagens. Gostando das dicas dos melhores passeios de Jeri? Continue lendo que tem mais.

DCIM113GOPRO

O passeio de Tatajuba em Jeri

O segundo passeio recomendado é o da Tatajuba. Começa por uma “caçada” aos cavalos marinhos no Rio Guriú onde pegamos um barco (R$ 10,00 por pessoa, não incluso no tour ) e com um pescador partimos a procura dos cavalos marinhos que ficam escondidos perto dos galhos e raízes do manguezal.  O ideal é chegar lá com a maré baixa, quanto mais seca melhor! Seu guia vai saber te levar no melhor horário para que possam capturar lindos e belos exemplares. Obviamente são devolvidos ao mar logo depois que capturados.

Cavalos marinhos de Tatajuba

Aprendemos muito sobre a impressionante vida deles. Vivem em torno de 5 anos e já a partir de 1 ano começam a procriar. Passam 3 dias dançando pra conquistar sua fêmea, e depois são fieis a elas pela vida toda! Olha que interessante também: é a fêmea que gera os óvulos mas é o macho que faz a gestação dos filhotes, inclusive são justamente diferenciados das fêmeas por ter uma barriga maior. Podem nascer de 700 a 1000 filhotinhos por vez, mas infelizmente por conta da ação de seus predadores (peixes em geral) somente 1% sobrevive. Um nova gestação ocorre de 12 em 12 dias, podendo chegar a mais de 20 gestações ao ano. Se alimentam de larvas de camarão e peixe, e também algumas espécie de algas.  

Depois, seguimos para a cidade de Camocim, onde atravessamos o rio com uma balsa. Após a travessia, seguimos para Mangue Seco, paramos para fotos e para beber uma agua de coco. Há um ponto de apoio de bebidas e um pequeno artesanato na área.

Essa região é lindíssima, com árvores centenárias. Por baixo da areia está a lama do manguezal. A areia veio do avanço do mar mas está matando o mangue por que atrapalha a oxigenação necessária das espécies. Na sequência fomos visitar Tatajuba que é uma antiga vila soterrada pela areia. Ali conhecemos a Sra Delmira, a simpática senhora que carinhosamente nos contou toda a história desta vila que hoje está debaixo da areia.

Jeri-Dona-Delmira

Dali fomos para a Duna do Funil onde praticamos sandboard (R$ 10,00 cada descida + R$ 5,00 pra subir de quadriciclo). Esta duna é considerada “viva” pela cor bem branca. Ela está quase petrificada e não se move mais.

Jeri-Duna-Funil-sand-board

Lá pelas 13hs chegamos à Lagoa Grande, uma das maiores da região, onde almoçamos num dos restaurantes locais. O cardápio é mostrado vivo, uma bandeja de peixes e crustáceos à sua escolha.

Jeri-cardapio-vivo-lagoa-grande

O visual da lagoa é de tirar o fôlego, olha só…

Continue lendo:

Bjsss e até a proxima viagem,

flavia ribeiro viagens

Escrito por
Publicado em

Deixe aqui seu comentário!

5 comentários até agora!

  1. Adorei o blog ! Parabens pelas viagens e pelo olhar “wanderlust” que deixa cada momento ainda mais especial. Anotei as dicas e capturei o entusiasmo !  Agora é só fazer as malas!

    1. Muito obrigada Andrea, fiquei muito feliz com seu comentário!

      Adoro inspirar viagens e fazer a vida mais especial!

      Grande beijo, Flávia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *